OU ISTO OU AQUILO PDF

adminComment(0)
    Contents:

File history uploaded by Ivone Pedroso 4 years, 6 months ago. No preview is available for Ou Isto Ou vaidirampmena.ml To view it, click the "Download" tab above. Eu também hei de ter asas ainda em vida ou só quando desta tiver me . Isto talvez se aplique à brilhante combinação de dois conceitos, algo que faz com que. Rights Reserved. Download as PDF, TXT or read online from Scribd qual é melhor: se é isto ou aquilo. Meireles, C. Ou Isto ou Aquilo. In: Poesia Completa.


Ou Isto Ou Aquilo Pdf

Author:ARIANA SKUTNIK
Language:English, Dutch, Hindi
Country:Benin
Genre:Religion
Pages:615
Published (Last):15.05.2016
ISBN:462-2-72875-538-4
ePub File Size:27.79 MB
PDF File Size:15.82 MB
Distribution:Free* [*Sign up for free]
Downloads:43229
Uploaded by: ERNIE

FERREIRA, Norma Sandra de Almeida. A study of Cecília Meirelles' Ou isto ou aquilo editions. []., 20, 2, pp ISSN isto ou aquilo pdf download. Quote. Postby Just» Tue Jan 29, am. Looking for isto ou aquilo pdf download. Will be grateful for any help! Top. 4 mar. (Ou isto, ou aquilo (), texto Cecília Meirelles, para 3 Vozes e It is available for free download below in a single PDF containing the full.

Says the teacher. It was agreed with the class that the tires would be buried, but before they left the classroom the teacher asked if the pupils remembered how many people had been infected by the dengue mosquito in the previous year.

The reason people got sick, according to her, was their own carelessness. That was why they had to bury the tires.

After all, "each one must do their part, she said" Ribeiro, , n.

The teacher's speech reiterates the sanitary discourse about dengue, which is also intensely disseminated in other spaces, particularly in the media. The practice of sanitary control and intervention requires an attitude of healthy subject that takes care of oneself and of the others. Clearly, this subject attitude is constantly reiterated in the media. This discourse is often articulated with the political discourse that says that "it is of no use for the population to place on the public power the responsibility to fight against dengue.

Society needs to take part in this process" Portal RG, , n. Statements like these are repeated in the Science classes in the curricula investigated. Through the knowledges made available in the curricula investigated, the Little Landless are asked to reflect on their actions to avoid risks to the population. In this case, such discourses put in action practices of control that do not work individually, but in a collective manner. In the school yard, while they located and buried the tires, the teacher asked: "who dug up the tires?

Do you think that attitude was correct? The teacher therefore stimulated the practice of reflection about actions seen as incorrect. The pupils were, in this way, prompted to recognize the error, and asked to decide about what had been publicized as the common good. The reflection raised by the teacher focused also on how to redeem oneself for the wrongdoing, since children promised never to dig up the tires again, in addition to creating ways to eradicate dengue sources in the settlement.

These pedagogical practices require self-governance, demanding that the subjects speak about their actions, "[ In this curriculum practice, "[ The subject is encouraged to take on himself the responsibility of a care that is not individual, but collective. We can say that an exercise in biopower is underway here with the objective of governing the population Veiga-Neto, More than that, contemporary biopower concerns itself with making live Rabinow; Rose, Such power endeavor in the MST brings forward the fact that "[ In summary, sanitary knowledges are used in the curricula investigated to regulate the bodies which, in their turn, act upon the environment, normalize practices, evaluate behavior, separate, compare and hierarchize ways of being as more or less acceptable.

These knowledges, however, even though present in academic discourses, assume a different character in the curricula studied. After all, the objective of this discourse is the production of a Landless subject committed to the precepts publicized in the MST discourse: a healthy life and healthy population.

Knowledges about Land Reform and the Demand for an Attitude of an Anti-latifundium Subject "The latifundium has renewed itself, and today manages a modern system called agribusiness that controls the land and the production" MST, , n. Statements like these are put in action to disseminate very specific ways of understanding the Land Reform in the MST.

These statements disseminate practices and make available desirable marking points to the Landless in the curricula researched.

→ Livro Método da Líbido Caio Cesa Download PDF

After all, "no 'focal point', no scheme of transformation can work if, through a series of successive concatenations, it does not insert itself, in the end of the day, into a global strategy" Foucault, a , p. Curriculum is, within this scheme, one of the mechanisms for the transformation of spaces, subjects and ways of life in the MST. Geography classes in the curricula investigated gain special importance in disseminating the knowledges that require an attitude of an anti-latifundium subject.

This attitude displays several marks of the attitude of ecological subject, reiterating the association between the care of the environment and the discourse of the Land Reform. Despite the many intersections, there is something striking in the anti-latifundium attitude: the attitude contrary to the actions of the large landowners regarding the use and possession of the land. The struggle for Land Reform and for the right to land is central, requiring from the Landless ways of understanding their relation to the environment in a different way from that of the large landowners.

The classes at the Hope Camp were more intense in fostering the attitude of an anti-latifundium subject when compared to those at the Courage Settlement, corroborating what Marcia, one of the Landless, said: "in the camp everything is more intense.

The situation itself of confrontation, of struggle and daily suffering, makes everything more sensitive" Ribeiro, , n. At the Camp, through knowledges from the Geography classes, pupils learned about the transformation of the rural space, making use of a text present in the textbook adopted by the school. The contents in this case were the use and occupation of the land. They opened up a variety of possibilities for discussion, so that the teacher could fulfil the requirements of the MST discourse about Land Reform.

This discourse said that the school should take responsibility to form a "subject committed to the Land Reform, to the construction of a popular project. The school has to commit itself to this project", as stated by Landless Maria Ribeiro, , n. Along these lines, the camp teacher exploited the subject through questions and answers, asking her pupils to observe the area surrounding the school. Why is it like that now? With no vegetation or anything, the rain came and carried the soil away.

Cattle came and stomped it, cars came as well, and it got like this. Completes the teacher Ribeiro, , n. In this episode, the teacher was talking about terrain and, equally, about lessons that were part of the Land Reform agenda as, for example, when the teacher said that the farmer made nature worse.

With the appropriation of knowledge about Land Reform, there is an inversion of relations previously established with the State as when, for example, in the s there was a "near extinction of small farmers movements" Fernandes, , p. In this sense, even if book contents are very frequent in the classroom, and even if disciplinary knowledge is emphasized, the act of re-signifying them, presenting other knowledges, other forms to understand them, adding characters and meanings, works as an important tactic in the disputes that characterize the Landless.

The procedure of taking pupils to observe the Camp under the teacher's guidance brings contents about terrain, prescribed by the textbook, but also teaches what happens with the environment when it is in the hands of large landowners. Certain principles are understood as better than others, because a given way of living is desired within the Movement.

Even if the contents worked in the classroom have been extracted from the textbook, the analyses explored demonstrate the attempt to problematize the book's statements, adding other knowledges to them, such as in the episode previously described. Other contents, which are usually present in the books, also received different analyses and connections with the life of the Landless, for example, the discussion about World Water Day.

I want to know what causes that source to be there. In the past, it had plenty of water, but people destroyed the vegetation and it dried up. After the settlement, people took care of it, no longer burned the vegetation, did not remove any trees, and then the water came back.

We at the Settlement have a special task, because we work with the land, with nature, with the woods. If we do not know how to deal with nature, with the land, who is going to take care of it? The people from the city? If we do not take care of the land we will help to continue destroying the environment. In a heat like this? We have to give an example to the others too. If we care for it, we'll always have it Ribeiro, , n. The idea disseminated is that, because they are Landless, the relations they establish with the use of the land and with the care for nature are different, requiring from them a different attitude to face the circumstances of their lives.

Here, ecological knowledges reaffirm precepts from the knowledges of the Land Reform that are inseparable in the discourse of the MST, sometimes even merging into each other. The teachings disseminated in the Science classes, when they contrast actions in the Settlement against those in the city and by big landowners, put in action the MST discourse that opposes agribusiness To the Land Reform, there is in the countryside "a dispute between these two worlds of agriculture.

For him, Land Reform pertains to reconciling sustainable food production and the preservation of the environment. In summary, knowledges of the Land Reform are intimately related to ecological knowledges in the production of the Landless subject. The investment in re-signifying the knowledges presented in textbooks seems of great importance in the context of the Land Reform for, as demonstrated by Nabarro and Tsukamoto , when they analyze the contents of Land Reform in Geography textbooks, these knowledges are distant from the debates favored in areas of camp and settlement.

The textbooks emphasize the "economic activities developed in the rural area, and in the end [ Therefore, the knowledge about Land Reform disseminated in the textbook enters in competition with the knowledges about Land Reform proposed by the MST and valued in the teacher's discourse.

The pedagogical practices used in the Hope Camp do not neglect the knowledges present in textbooks. This happens independently of the teacher analyzing critically the texts in the books.

After all, although she introduces other knowledges, when the teacher goes back to the textbook she instructs her pupils: read this text [from the Geography textbook] and then answer the questions that follow it; do the activities Camp Class, FN, June In this context, it is not unusual that knowledges added to the curriculum, which might be considered alternative knowledge, face up to "[ The speech of one of the Landless, a father of pupils at the school, reveals the power struggles between knowledges in the school curriculum: You see, in the Settlement [ It uses methods based on the reality of the settlement children.

This already happens. It is not how we would like it to be. There should be more work on it. But we know about the challenges and difficulties of working with what is not in the curriculum tables Ribeiro, , n.

The definition of what is allowed, forbidden, and imposed by the curriculum puts in play the authorization of knowledges that are under dispute in the Landless discourse. Along the same lines, the school practices described by one of the Landless, who was a teacher at the school, bring evidences of the struggle of particular knowledges of the MST for some space: I used to teach at the Settlement school and I did several activities outside the classroom, exploring the environment where pupils live.

We did the mystical, we sang the Movement's songs, but many parents did not understand, they said that that was not classes, and that their children needed to learn to read and write. But they were also learning that. I used themes from their daily lives to teach the contents, but there are people who still don't understand it Ribeiro, , n. It becomes clear that "human beings are not the unified subject of some coherent government regime that produces people in the way it imagines" Rose, , p.

Instead, they are questioned by different practices that subjectivate them differently Rose, In this battlefield, re-signifying contents seems to be more acceptable than to include and exclude contents. After all, there were no objections to the classes that dealt with re-signifying school knowledges normally worked with, instead of including others, despite the fact that knowledges about Land Reform, with their contents against the latifundium, were not documented in the political pedagogical project of the two schools researched.

However, these knowledges were particularly present in the Geography and Science classes observed. In the Camp, when bringing into the scene the owner of the land occupied by the MST, demands for the attitude of an anti-latifundium subject are made available, while children are already beginning to make other compositions about this theme, as shown in the following dialogue.

But he ruins nature! Comments Diego. It's going to be erosion. Says Ivan. The pond is full of sand, I saw it. It blocked the brook. I rode my bicycle over it, there is no more river. Affirms Diego Ribeiro, , n. Diego and Ivan show evidences of having understood the content worked with, distinguishing what is right from what is wrong, according to the discourse of the MST about Land Reform.

By assessing the actions of the landowner, the pupils reflect upon ways of living, upon life choices, upon how they should guide their conduct. They demonstrate that they have learned the lessons of the discourse taught to them, being themselves at the same time products and producers of knowledges and practices. In so doing they assume the attitude of an anti-latifundium subject. There is an epistemological power at work here.

It is the power to "extract from individuals a knowledge, and to extract a knowledge about these individuals subjected to an outlook, and controlled by [ The pupils noticed the teacher's approval of their comments, which seemed to get the children excited with the teachings.

The teacher used this enthusiasm to bring forward a new content from the book. The natural one is cow dung, goat dung Like the ones we use, says Ivan. The agroecological discourse assumes the centrality of the composition, without abandoning the discourse of the Land Reform, assuming that they complement each other. This discourse disseminates the idea that agroecology is a field of knowledge that "promotes the ecological management of natural resources through forms of collective social action [ Thus, the knowledge about chemical inputs made available in class is in opposition to the discourses of agroecology and of the Land reform, because agribusiness is commonly associated to the use of these inputs.

Therefore, in the attitude of an anti-latifundium subject one needs to learn about these contents. The partnership between these two discourses is assumed by the MST, as publicized in an article on the newspaper Ambiente Brasil: "the MST has given important contributions to consolidate the agroecological movement in our country, [ By seeing agroecology and the Land Reform as positive, the curriculum practices take position qualifying certain actions and knowledges and disqualify others.

Disapproving the actions of the landowner, which in the MST discourse are associated to agribusiness, creates other meanings for the knowledges expressed in the textbook. A set of rules of conduct, either implicitly or explicitly, is therefore made available in the curricula investigated. Certain regime, that is to say, a whole art of living Foucault, b , that may include bodily as well as moral orders is put into action and, in its turn, requires "a manner of problematizing behavior" Foucault, b , p.

For example, in a campaign against the use of pesticides in which the MST took part, the scientific discourse was mobilized as a way to validate the knowledges made available by the MST. The Movement states that "pesticides cause a range of very serious diseases that affect rural workers, rural communities and the population in general, who consume food with toxic substances and develop many illnesses" Ambiente Brasil, , n.

Other discourses validated by academia are added to declare, for example, that the use of pesticides is the result "of a set of political choices made by the country, which hark back to the s" Ponto de Pauta, , n. In view of these statements, Geography knowledges seem to disseminate discourses from different fields - political, medical, environmental -, making available information that are not in textbooks and that are used by the teacher in the camp.

Such discourse is reiterated when a Landless woman says that "we have to invest in healthy food for school meals, with no pesticides. All we have to do is to download products from our own producers" FN, March , n.

In this line of thinking, the Camp teacher asked her pupils Ivan and Diego if the poison used by the landowner was bad for the health. They promptly answered that it was, that it was healthier to use dung FN, June , n.

Thus, the curriculum makes available behaviors and practices desirable to the attitude of an anti-latifundium subject which, in its turn, reaffirms hallmarks of the attitude of an ecological subject.

In such power struggles, what is interesting is "to interrogate the relations between economic and political structures in our society, and the knowledge, not in its true or false contents, but in its power-knowledge functions" Foucault, , p. By making available in the school curriculum the attitude of an anti-latifundium subject, the Landless are then taught precepts that oppose behaviors linked to the latifundium, which are often associated to the disregard for health and to little concern with the population.

Therefore, generally speaking, knowledges about the Land Reform disseminated in the curricula investigated establish opposition to ways of relating to the environment adopted by large landowners, and offer a different logic of care, in which actions, even individual ones, must guide themselves towards the collective good.

This and that How to plant?

How to work with computers? How to take care of the animals? How to use materials in a lab? Should they be taught how to work the land, or should they learn so-called universal contents? The duality of this or that seems to be fuelled by discussions about production in the curriculum of the schools studied here.

The disputes, associations and discourse productions in the curricula investigated often bring the this or that to the surface. As mentioned, the alternative knowledges introduced in the curricula studied were observed only in Geography and Science classes.

In view of that, we might say that there is still some difficulty to separate the particular knowledges that they wish to teach in the MST curriculum from the knowledges already made official by the school.

This fact demonstrates the strength of official knowledges. However, by putting into circulation discourses that require the attitude of an ecological, healthy and anti-latifundium subject, the Landless subject is delineated, required and produced. This subject is produced in the combination of several subject attitudes that are always recomposed, reorganized and recreated. A set of attitudes are required from this subject.

The Steel Trap - Wrc Bulletin 412 Pdf

Its existence demands, in general, a critical thinking in the face of the situations experienced in their daily lives. The subject attitudes disseminated in order to produce the Landless subject escape, however, from the precepts that try to determine choices for this or that in the curricula.

Thus, the dispute about which knowledges should be regarded as more valid in the curricula ends up blurring a supposed dualism of knowledges: universal and particular, school and MST. A specialized knowledge about what is considered correct is constituted, putting into action moral systems of obligation and interdiction: this and that should not be done. E nisso h claridade, beleza e aquilo que hoje falta mente humana - a afeio, o amor, 12 de Janeiro de 33 Para se compreender completamente uma coisa, trivial ou importante, tem de se lhe dar uma ateno total, desbloqueada e livre.

De outro modo no possvel compreender - especialmente aquelas coisas que requerem cuidadoso estudo e intimo conhecimento.

Other books: AF FORM 910 PDF

Para se prestar ateno tem de haver liberdade; se assim no for a ateno no possvel. N o podemos dar-nos completamente a uma determinada coisa se no esta mos livres. E para compreender essa coisa extraordin ria a que se chama Verdade - simples e ao mesmo tempo complexa - temos de dar-lhe essa ateno sem bloqueios. E, como disse, a liberdade essencial. Porque a Verdade no pertence a nenhuma religio, a nenhum sistema, nem pode ser encontrada em livro algum. N o podemos aprend-la de outro, nem a ela ser levados por outro.

Temos de compreend-la intei ramente e de entregar-nos a ela assim, temos de chegar Verdade livres, descondicionados e num estado em 35 que a mente se compreende a si mesma, libertando-se assim de toda a iluso. A liberdade - ser livre - est a tornar-se cada vez mais difcil.

A medida que a sociedade vai sendo mais complexa, e a industrializao se torna mais vasta, mais profunda e mais organizada, h cada vez menos liber dade para o homem. Como se pode observar, quando o Estado se torna todo-poderoso ou quando ele alcana bem-estar social, preocupao desse Estado com os cidados to com pleta que h cada vez menos liberdade exterior. E exteriormente a pessoa torna-se escrava da sociedade, da presso da sociedade; nesta presso da existncia organizada, a existncia tribal deu lugar ao controlo centralizado, organizado, industriali zado.

H cada vez menos liberdade exterior. Onde h mais progresso h menos liberdade. Isto evidente, um facto observvel em toda a sociedade que se torna mais complexa, mais organizada. Assim, exteriormente h a presso do controlo, a moldagem da mente do indivduo - tecnologicamente, industrialmente. Sendo exteriormente to constrangida, a pessoa tende naturalmente a entrincheirar-se psicolo gicamente, interiormente, cada vez mais, num determi nado padro de existncia.

Isto tambm um facto evidente. Assim, para quem bastante srio para investigar se h, de facto, uma Realidade, para descobrir o que a Verdade - a Verdade no construda pelo homem; com o seu medo, o seu desespero; a Verdade que no uma tradio, uma repetio, um instrumento de propagan da - para se descobrir isso, tem de haver completa 36 liberdade.

Exteriormente, poder no existir liberdade, mas interiormente, tem de haver absoluta liberdade. Compreender esta questo da liberdade das coisas mais difceis. No sei se j reflectistes profundamente sobre isso. Ainda que j tenhais pensado no assunto, sabeis o que significa ser livre? Por liberdade no entendo uma libertao abstracta, ideal - isso dema siado terico e distante, pode no ter qualquer realida de; pode ser uma inveno de uma mente cheia de desespero, de medo, de agonia, que construiu verbal mente, intelectualmente, um modelo, na esperana de alcanar um determinado estado verbal, mas isso no uma realidade.

No estamos a falar de liberdade como uma abstraco mas como uma realidade; falamos da liberdade quotidiana, interior, em que psicologicamente no h sujeio a coisa alguma. Ser isso possvel? Teoricamente, idealmente, talvez seja possvel. Mas aqui no nos interessam ideias, nem teorias, nem esperanas de tipo religioso e especulativo; s nos interessam factos. Psicologicamente, interiormente ser possvel a men te estar totalmente livre?

Exteriormente, pode-se ir para o emprego todos os dias, pertencer a uma certa catego ria de pessoas, a uma determinada sociedade, etc. Mas devero as tenses e as presses do condi cionamento exterior, do ajustamento externo ao padro de uma determinada sociedade - dever isso dominar a psique, todo o processo do nosso pensamento? E haver realmente completa liberdade psicolgica?

Porque sem liberdade, sem absoluta liberdade psicolgica, nenhuma 37 possibilidade existe de descobrir a Realidade, de desco brir o que Deus - se tal ser existe. A liberdade absolutamente necessria mas a maioria de ns no deseja ser livre - esta a primeira coisa que temos de reconhecer. Assim, ser possvel estarmos psicologicamente li vres, de modo a podermos descobrir, por ns mesmos, o que a Verdade? Porque no prprio processo ou no prprio acto de com preender o que a Verdade, ficamos capazes de ajudar o nosso semelhante; de outro modo, no podemos ajudar; de outro modo criamos mais confuso, mais sofrimento para o ho mem - o que, alis, bvio, como mostram todas as coisas que esto a acontecer.

A verdade que com unicada por outro, que descrita ou ensinada por outro - por muito sbio ou inteligente que seja - no Verdade. Somos ns que temos de ir descobri-la, de compreend-la. Retiro a expresso ir descobri-la - no podemos ir desco brir a Verdade; no podemos pr-nos procura, consciente e deliberadamente, para a encontrar. Temos de encontrar inesperadamente a Verdade no escuro, desprevenidamente. Mas no podemos assim encon tr-la se, no ntimo, a nossa mente, a nossa psique, no estiver completa e totalmente livre.

Para descobrir qualquer coisa, mesmo no campo cientfico, a mente tem de estar livre. Tem de estar descondicionada para ver o que novo. Mas, em geral, infelizmente, a nossa mente no fresca, nova, inocente - para ver, observar, compreender.

Estamos cheios de experincias, no s das experincias que 38 acumulmos recentemente - com recentemente que ro dizer nos ltimos cinquenta ou cem anos - mas tambm da experincia humana imemorial. Estamos confusos e bloqueados por tudo isso, que constitui o nosso conhecimento, consciente ou inconsciente; o conhecimento consciente o que adquirimos atravs da instruo que recebemos neste mundo moderno, no nosso tempo.

Ora, importante, quando estais a ouvir estas pala vras, que escuteis realmente. Penso que h diferena entre escutar e ouvir. Podem os ouvir palavras e interpret-las, dando-lhes o nosso prprio significado ou o significado segundo um certo dicionrio, e ficar ao nvel da comunicao puramente verbal.

E quando se ouvem palavras dessa maneira, intelectualmente, h concordncia ou discordncia. Prestemos um pouco de ateno a isto, por favor.

N o estamos a trocar opinies. N o estamos a investigar dialecticamente a verdade de opinies. Estamos a investigar, a tentar compreender a Verdade - no a verdade de opinies, no a verdade do que outros disseram.

Se escutarmos o que inteiramente diferente de ouvir, apenas - ento no h nem concordncia nem discordncia. Estamos realmente a escutar, para descobrir o que verdadeiro e o que falso - e isso no depende do nosso julgamento ou opinio, do nosso conhecimento, ou do nosso condicionamento. Temos assim de escutar, se queremos ser verdadei ramente srios. Se se deseja ser superficial, estar apenas entretido com um passatempo intelectual, tambm est certo.

M as se somos realmente srios e sentimos a 39 urgncia de descobrir o que a Verdade, temos de escutar. O acto de escutar no implica concordncia ou discordncia.

E essa a beleza do escutar. Ento compreendemos totalmente. Se escutarmos aquele corvo, veremos que estamos a dar ateno to completamente que no comparamos, que no interpretamos o som, como o som produzido por um corvo. Estaremos a escutar puram ente o som, sem interpretao, sem identificao, e portanto sem comparar. E assim o acto de escutar. Ora, se estamos a comunicar verbalmente - e isso o que nos possvel fazer - ento temos no apenas de ouvir a palavra - isto , a natureza e o significado dessa palavra - mas tambm de escutar, sem concordar ou discordar, sem comparar, sem interpretar, temos real mente de dar toda a ateno.

Ento, veremos, por ns mesmos, imediatamente, o significado de tudo o que a palavra liberdade implica. Pode-se compreend-lo ins tantaneamente. A compreenso, o acto de compreender imediato, quer acontea amanh ou hoje. O estado de com preenso , p o rtan to , intem poral; no um processo gradual, um processo acumulativo. Assim, no estamos s a comunicar verbalmente uns com os outros, mas estamos tambm, realmente, a escutar-nos uns aos outros.

Estais a escutar-vos a vs mesmos, ao mesmo tempo que estais a ouvir este que vos est a falar. O que ele est a dizer no importante, mas o que escutais importante - vede, por favor, que isto no um jogo intelectual. Porque o ouvinte, cada um de vs, que tem de descobrir o que a Verdade; o ouvinte que tem de compreender toda a estrutura, toda 40 a anatomia, toda a profundeza e plenitude da liberdade.

O orador est apenas a comunicar verbalmente. E se estais s a ouvir as palavras e dizeis: Essa a sua opinio, Esta a m inha opinio, Concordo, Discordo, Foi isso que Buda ou Shankara disse ento, vs e eu no estamos a comunicar. Ento, estamos apenas a entreter-nos com opinies - pelo menos vs estais. Assim, temos de ver com muita clareza, logo desde o comeo, para que no estejamos s a ouvir a comunicao verbal - a palavra, o signifi cado e a natureza da palavra - mas tambm a escutar.

Tendes assim uma dupla tarefa - ouvir as palavras e escutar. Naturalmente, a palavra que ouvis tem um significado e esse significado evoca certas respostas, certas lembranas, certas reaces. Mas, ao mesmo tempo, tendes de escutar sem reaco, sem opinios, sem julgamento, sem comparao. A vossa tarefa assim muito maior que a do orador, e no o contr rio, que aquilo a que geralmente se est habituado: o orador faz o trabalho todo e fica-se apenas a ouvir, a concordar ou discordar, e depois cada um vai-se embora muito animado e satisfeito, intelectualmente estimulado.

Mas tal estado no tem qualquer valor - para isso tambm se pode ir a um cinema. Mas, quando uma pessoa verdadeiramente sria, essa seriedade exige uma ateno completa, uma aten o aprofundada, que vai at ao fim.

Essa pessoa sabe certamente a arte de escutar. E se sabeis esta arte, no preciso dizer mais nada. Ento escutareis a voz do corvo, do pssaro, o sussurrar da brisa entre a folha gem; e escutar-vos-eis tambm a vs mesmos, os mur 41 mrios da vossa mente, o vosso corao, e os sinais vindos do vosso inconsciente. Estareis ento num estado de penetrante e intensa escuta e, portanto, j no andareis entretidos com opinies.

Assim, se somos realmente srios, escutamos dessa maneira; e precisamos de escutar assim. Porque, como disse, a liberdade absolutamente necessria para a compreenso do que a Verdade. Sem essa compreen so, a vida torna-se muito superficial, vazia, tornamo-nos meros autmatos. E no acto de compreender o que verdadeiro - ou seja, no acto de escutar - a vida comea de maneira nova. A nossa mente no tem frescura.

A nossa mente j viveu milhares de anos - por favor no metamos nisto a reencarnao; se o fizermos no estaremos a escutar. Ao usar as palavras milhares de anos no me estou a referir s a ns, mas ao homem. Somos o resultado da existncia milenar do homem.

Somos uma conscincia vastssima; s que nos apropriamos de uma parte dela, construmos um muro sua volta, confinamo-la, e agora dizemos Isto a minha individualidade. E ao dizer milhares de anos, no estou a falar dessa clausura - essa clausura de arame farpado que, na maioria dos casos, cada um de ns. Estou a falar daquele estado de conscincia que imenso, vasto, que tem passado por milhares de experincias e que est debaixo da crosta, do fardo, do peso da tradio, do conhecimento acumulado, de toda a espcie de espe rana, de medo, desespero, ansiedade, agonia, avidez, ambio - no s a ambio dos que esto enclausu rados, mas tambm a ambio do homem.

Assim, as 42 nossas mentes esto embotadas pelo passado - isto , alis, um facto psicolgico; no se trata de uma opinio contra outra opinio. Assim, com essa mente, com essa psique que tem passado por tantas experincias, que conserva todas as cicatrizes, todas as lembranas, todos os movimentos do pensamento, como memria - com essa mente que vamos ao encontro da vida.

E com tudo isso que queremos ir ao encontro daquilo que desejamos desco brir - a Verdade. E no podemos, evidentemente.

Como em relao a qualquer outra coisa, temos de ter uma mente fresca, nova. Para olhar uma flor, ainda que a tenhamos visto muitssimas vezes, para olhar essa llor de maneira nova, como se a estivssemos a ver pela primeira vez na vida, temos de ter uma mente nova uma mente fresca, inocente, extremamente acordada. De outro modo, no a podemos ver - s vemos as lembranas que projectamos nessa flor, e no vemos lealmente a flor. Por favor, compreendamos isto. Uma vez que tenhamos compreendido o acto de ver como um acto de escutar, teremos aprendido uma coisa extraordinria na vida, algo que nunca mais nos dei xar.

Mas a nossa mente est to gasta, to embotada, pela sociedade, pelas circunstncias, pelos nossos medos e desesperos, por todas as desumanidades, pelos insul tos e as presses, que se tornou mecnica, insensvel, entorpecida, indolente.

E com essa mente queremos compreender; evidente que no podemos. Assim, a questo : Ser possvel ficarmos livres de tudo isso? De outro modo, nem a flor seremos capazes de ver. N o sei se, quando vos levantais, de manh 43 cedo, vedes o Cruzeiro do Sul, o cu estrelado. Se j contemplastes realmente o cu - do que duvido - talvez tenhais olhado os astros, talvez conheais os seus nomes e as posies. E depois de os terdes olhado alguns anos, alguns dias ou semanas, j vos esquecestes de as ver e apenas dizeis: Aquele ali Jpiter, Marte, etc Mas acordar de madrugada, olhar pela janela ou ir rua para ver o cu como uma coisa nova, com olhos desnevoados, com uma mente desobstruda - s assim se pode compreender aquela beleza, aquela profundi dade, e o silncio que existe entre ns e aquilo.

S assim somos capazes de ver. E, para isso, temos de estar livres; no podemos trazer toda a carga da nossa experincia, para olhar.

A nossa pergunta , ento: Ser possvel estarmos libertos do conhecimento? Conhecimento o que no passado se foi acumulando. Toda a experincia que se tem imediatamente traduzida, guardada, registada; e com esse registo vamos fazer face experincia seguinte.

Portanto, nunca compreendemos uma expe rincia; ficamos s a traduzir cada desafio de acordo com a resposta do passado e, assim, a fortalecer o registo. E o que acontece no crebro electrnico, no computador. S que somos apenas uma pobre imitao desse m aravilhoso instrum ento mecnico cham ado com putador. Ser possvel sermos livres? E essa investigao no meramente verbal, intelectual: o estado da mente que est a escutar.

O conhecimento acumulado torna-se a nossa auto ridade - sob a forma de tradio, de experincia, daquilo que se leu, daquilo que se aprendeu, e da autoridade reivindicada por aqueles que dizem que sabem.

Cecilia Meireles Isto Ou Aquilo

No mom ento em que uma pessoa diz que sabe, no sabe! A Verdade no algo acerca do qual se possa ter conhecimento acumulado. Tem de ser percebida, de momento a momento - como a beleza de uma rvore, do cu, do pr-do-sol. Assim, o conhecimento torna-se a autoridade que guia, que molda, que encoraja, que d fora para conti nuar.

Por favor, prestemos ateno a tudo isto, porque lemos de compreender a anatomia da autoridade - a autoridade do governo, a autoridade da lei, a auto ridade do polcia, a autoridade psicolgica que cons tituda pelas nossas prprias experincias e pelas tradies que nos foram transmitidas, consciente ou inconscientemente; tudo isso se torna o nosso guia, se lorna um sinal de advertncia quanto ao que se deve lazer e o que no se deve fazer. Tudo isso se encon1ra nos domnios da memria.

E isso realmente aquilo que somos. A nossa mente o resultado de milhares de experincias com as suas lembranas e as suas cicatrizes, o resultado das tradies transmitidas pela sociedade e pela religio, e das tradies educativas. Com essa mente to carregada de memria, tentamos compreen der o que no pode ser compreendido por meio da me mria. Precisamos, pois, de libertar-nos da autoridade. O significado da palavra, em si, o originador, aquele que origina algo novo.

Reparai na vossa prpria religio. N o sei se sois verdadeira mente religiosos provavelmente no. Vai-se ao tem plo, murmura-se uma srie de palavras, repetem-se certas frases a isso que se chama ser religioso. Vede que enorme peso de tradio os chamados guias espirituais e homens santos implantaram nas vossas mentes tal como o Guit e os Upanishads; Shankara e outros intrpretes do Guit. Estes baseiam-se no Guit, p ara o interpretar, e vs continuais a interpretar. Considerais essa interpretao uma coisa muito extra ordinria e chamais religioso ao homem que interpreta.

Mas essa pessoa est condicionada pelos seus prprios medos; presta culto a uma imagem esculpida pela mo ou pela mente. Essa tradio inculcada em cada um, no por uma propaganda recente, mas por uma pro paganda de milnio as pessoas aceitam-na, e isso molda o seu modo de pensar. Sendo assim, se desejamos ser livres, temos de pr de lado tudo isso - pr de lado os Shankaras, os Budas, todos os livros e instrutores religiosos - para sermos ns mesmos, para podermos investigar. De outro modo, no poderemos saber a extraordinria beleza e significado da Verdade, e nunca saberemos o que o Amor.

Assim, podereis vs, que fostes moldados por Shan kara, por tantos homens santos, pelos templos, apag-los a todas da vossa mente? Tendes de faz-lo. Tendes de ficar completamente ss, desajudados, sem 46 desesperar e sem nada temer; s ento sereis capazes de investigar.

Mas para apagar, para negar totalmente em vez de dizer negativamente Deixemos isso - para negar completamente temos de compreender toda a anatomia e estrutura, toda a essncia de autoridade: temos de compreender o homem que procura a auto ridade. No podemos afastar da autoridade o homem que a deseja porque isso o seu nico refgio, o seu po de cada dia - como tam bm o do poltico, do sacerdote ou do filsofo. Mas se queremos compreender essa coisa extraordi nria chamada Verdade, no devemos aceitar a auto ridade psicolgica.

Porque s a mente fresca, inocente, que jovem e vibrante, pode compreender estas coisas, e no a mente que se deixa guiar pelo passado, que moldada, enfraquecida e subjugada por ele. Ou uma coisa ou outra. Ou dizemos No possvel ficar-se livre do passado, deste conhecimento, desta autoridade que a mente procura, na sua pobreza, no seu desespero, para se apoiar; a mente nunca poder ficar livre da autoridade, do passado, das coisas que aprendeu, adquiriu, acumulou.

Ou ento dizemos que a mente e capaz de se libertar do passado. M as temos de investigar; no podemos apenas dizer que a mente pode, ou no pode, ser livre; isso apenas entretermo-nos com uma opinio, o que no tem nenhum valor temos de deixar isso aos filsofos. Se queremos descobrir, temos de investigar se isso possvel ou no; no podemos apenas aceitar ou negar. Temos, pois, de aprender acerca do conhecimento e da autoridade. Quando estamos a aprender no h 47 contradio, exactamente porque estamos a aprender.

Mas se estamos s a adquirir conhecimentos, ento no h contradio. Reparemos, nisto, por favor. Se esta mos apenas a acumular conhecimentos, ficaremos em conflito, porque a coisa sobre a qual estamos a adquirir conhecimentos uma coisa viva, que se move, que muda; e, portanto, entre o que acumulmos e a reali dade, h contradio.

Mas se estamos a aprender sobre ela, ento a contradio no existe, portanto no h conflito. Assim, a mente que est a aprender est a enriquecer-se de energia, porque no a dissipa num estado de conflito.

Mas quando a mente est a acumu lar e a adicionar, olhando e observando com base no conhecimento acumulado, ento h contradio, ento h conflito, e portanto dissipao de energia. Assim, o homem que aprende no tem conflito, mas o homem que est apenas a acumular informao, para viver segundo um determinado padro, estabelecido por ele prprio ou pela sociedade a -que pertence, ou por alguma personalidade religiosa, seja ela quem for esse homem est em contradio e, p o rtan to , em conflito.

E, como dissemos noutro dia, o conflito a prpria essncia da desintegrao. O conflito no surge apenas do passado, mas tambm em relao ao presente. Surge tambm quando temos ideias - que devemos ser isto ou aquilo, que devemos estar em tal ou tal estado - ideais maravilhosos, nobilitantes. O ideal no a realidade.

Uma ideia projectada pela mente que est em conflito torna-se um ideal, segundo o qual essa mente 48 deveria viver; e portanto a mente continua em con flito, em contradio. Mas a mente cjue est a escutar um facto, no um ideal - essa mente no est em conflito, est a mover-se de facto para facto. Portan to, uma mente assim encontra-se num estado de ener gia.

E sem essa energia no podemos ir muito longe; estamos a dissip-la em contradies, na luta para nos tornarmos aquilo e no isto. Temos assim de observar, de escutar, de ver o facto - o que - e de ficarmos com o facto.

E isto extraordinariamente difcil. E claro que nunca reflectistes sobre tudo isto, ou ento nada disto vos acontece naturalmente, tal como as chuvas caem do cu.

Provavelmente estais a ouvir estas coisas pela primeira vez, ou lestes alguma coisa a este respeito.

Como este orador tem falado sobre isto muitas vezes, direis: L volta ele s mesmas coisas. Mas se estais a escutar, se percebeis a inteno do orador, vereis ento o facto, isto , que o que tendes conhecimento acumulado, e ficareis com esse facto, no fugireis dele.

O facto que sois o passado em relao com o presente; o passado poder ser modifi cado, alterado, mas estais ainda a mover-vos, a existir, sempre no passado. Ento, que entendemos por ficar com o facto? Ficar, ou viver, com o facto, no aceit-lo, nem neg-lo, mas escut-lo - escutar todos os seus subtis movimentos, as indicaes que directamente nos d, as perguntas, as respostas a que ele leva; no neg-lo, porque no se pode negar um facto se o fizermos poderemos acabar num hospital de alienados.

Ora, quando vivemos com alguma coisa ou pessoa com a nossa mulher, com os nossos filhos, com uma rvore, com uma ideia que temos - ou nos acostuma mos tanto a ela que ela deixa de existir, ou vivemos realmente com ela, dando-lhe inteira ateno.

N o m om ento em que nos acostum am os a um a coisa, tornam o-nos insensveis. Se me acostum o quela rvore, sou insensvel a ela. Se sou insensvel rvore, sou tambm insensvel sujidade, insensvel s pessoas, insensvel a tudo.

Pelo contrrio, estar atento a uma coisa no ficar habituado a ela, no ficar acostumado, insensvel - sujidade, misria, famlia, mulher, aos filhos. Para no nos habituarmos a uma coisa preciso ter muita ateno e, portanto, muita energia.

Espero que estejais a entender isto. Assim, a mente que quer compreender o que verdadeiro tem de compreender, mas no de modo idealista, todo o significado do que a liberdade. A liberdade no uma libertao a alcanar em algum mundo celestial, mas sim a liberdade quotidiana, que estar livre do cime, do apego, da competio, da am bio - que significa o mais: Tenho de ser melhor; sou isto e tenho de me tornar aquilo. Mas quando observamos o que somos, no h ento o tornarmo-nos alguma coisa mais, alm daquilo que somos; ento, h uma transformao imediata de aquilo que.

Sendo assim, a mente que deseja ir muito longe tem de comear pelo que est muito perto. E no podemos 50 ir muito longe se ficamos meramente a verbalizar acerca de algo que o homem cria e a que chama Verdade ou Deus.

Temos de comear pelo que est muito perto, para lanar a base correcta. E, precisamente, para lanar essa base tem de haver liberdade. Temos pois de ter a nossa base na liberdade, e em plena liberdade e ento j no ser uma base; ser um movimento, e no uma coisa esttica. S quando a mente compreende a extraordinria natureza do conhecimento, da liberdade e do apren der, que o conflito cessa; s ento a mente se torna perfeitam ente lcida e precisa. N o fica presa em opinies e pareceres; encontra-se num estado de aten o e, portanto, num estado de completa energia e completo aprender.

S quando a mente est tranquila capaz de aprender - que no significa aprender a respeito de qu?. S essa mente serena pode aprender, e o importante no a respeito de qu ela aprende, mas sim o estado de aprender; o estado de silncio em que ela est a aprender.

Temos de o examinar profundamente, e no procurar, apenas, algum remdio superficial ou um conceito ou um ideal para ser aplicado como meio de se ficar livre do medo, pois desse modo isso nunca possivel. Gostaria no s de examinar tudo isto verbalmente, mas tambm de ir alm da palavra, para investigar, no verbalmente, se de facto possvel ficarmos completa mente livres do medo, tanto do medo biolgico, fisio lgico, como do medo psicolgico.

Para quase todos ns, a palavra ocupa um lugar muito importante. Somos escravos das palavras. O nosso pensar verbal, e sem palavras dificilmente podemos pensar. H talvez um modo no verbal de pensar; mas, para compreender o pensar no verbal, temos de nos libertar da palavra, do smbolo, do pensamento verbal. Para a maioria de ns, porm, a palavra, o smbolo, ocupa um lugar extraordinariamen te importante na nossa vida.

E, assim, a mente escrava 53 das palavras - palavras como indiano, hindu, brmane, etc. Para penetrarmos muito profundamente neste pro blema do medo, temos no s de com preender o significado da palavra, mas tambm - se possvel - de libertar a mente da palavra, e desse modo compreender profundamente o significado do medo. Para investigar muito profundamente, indispens vel um sentido de humildade - mas no como virtu de.

A humildade no uma virtude, um estado de ser - ou somos humildes ou no somos. No podemos busc-la, nem cultiv-la; no podemos ser vaidosos e pr uma camada de humildade sobre essa vaidade como a maioria de ns tenta fazer. Vamos aprender sobre o medo. E para aprender sobre o medo e a sua enorme importncia na nossa vida, a sua escurido e os seus perigos, temos de investigar o que ele.

E, portan to, preciso esse estado de humildade sem medo, uma humildade sem desejo de recompensa, e no cultivada. Para a maioria de ns, a virtude meramente uma coisa que cultivamos como meio de resistir s exigncias dos nossos prprios desejos e tambm s experincias de uma determinada sociedade, em que acontece viver mos. Mas a virtude, a bondade, no est contida na esfera do tempo. No se pode acumular virtude, no se pode cultiv-la. Ela , por exemplo, ser bom e no tornar-se bom.

Estas duas coisas so totalmente dife rentes. Florescer em bondade inteiramente diferente de tornar-se bom. Tornar-se bom um meio de alcanar uma recompensa, de evitar uma punio ou de resistir a alguma coisa, e nisso no h florescimento.E s a mente que tem humildade capaz de aprender.

Proudly powered by WordPress. Rio de Janeiro: Nau Editora, Boletim Data Luta, p. A multiplying action is also required. The procedure of taking pupils to observe the Camp under the teacher's guidance brings contents about terrain, prescribed by the textbook, but also teaches what happens with the environment when it is in the hands of large landowners.

Porque s quando o conflito cessa comple tamente, que termina toda a iluso, s ento a mente pode penetrar muito profundamente na investigao da Verdade, no investigar se existe algo alm do tempo. Ecological knowledge usually requires from the Landless a certain way to relate to the environment - in the use of the land and in the relationship of people with it -, which is in accordance with the precepts of the MST.

Mexico City: Grupo SM.